SYMBOL CARDS

SYMBOL CARDS

Translate here to your language, please.

VIDEO_CALÇADA_20 ANOS

Loading...

segunda-feira, 26 de novembro de 2007

"OS CALCETEIROS" DE DREBET REPRODUZIDOS EM ARTE PICTÓRICA




Os principais museus do mundo estão preocupados em garantir o acesso à arte pictórica para pessoas cegas ou com reduzida acuidade visual.

Achei interessante o trabalho que a artista plástica brasileira Laura Chagas está a desenvolver, para o Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação Prof. Dr. Gabriel Porto (Cepre) da Faculdade de Ciências Médicas.

“A idéia inicial que eu acalentava era produzir um livro com ilustrações táteis para os deficientes visuais". Afirma Laura Chagas. “À medida que o trabalho se foi desenrolando foram surgindo novas ideis até ao resultado actual. Não se trata de uma tradução das obras – o que seria impossível – e nem de uma adaptação, mas de uma mediação. Fornecer aos deficientes visuais uma noção das obras.”, esclarece Laura Chagas. Como o objetivo é possibilitar este contato desde a infância, a autora optou por utilizar materiais baratos e técnicas simples, reprodutíveis e acessíveis a todos.

Do francês Jean Baptiste Debret, que pintou o Brasil do século XIX, Laura escolheu a aguarela Calceteiros, que retrata o trabalho escravo numa praça do Rio de Janeiro. A pintura é cheia de detalhes, que a artista representou apenas com os dois escravos do primeiro plano. Para isso, utilizou a chamada borracha “eva” (etil vinil acetato), que por suas cores, facilidade de manuseamento, limpeza e durabilidade transformou-se em bom material para trabalhos artesanais e escolares. Ela afirma que poderia representar também as cenas de fundo, separando-as em camadas e trabalhando cada uma delas em pranchas. Outra possibilidade seria simplesmente descrever todas as cenas do quadro, como fazem alguns museus, o que a artista considera demasiado enfadonho quando a proposta é permitir às crianças um contato com a obra.

Os trabalhos de Laura apresentam tamanhos que facilitam o contacto manual e a reprodução de detalhes, sem que se atenham às dimensões originais. Ela observa que a tela de Debret, por exemplo, não mede mais do que um palmo de largura, ao passo que outras de menor dimensão podem ficar razoavelmente grandes. Frisando que procurou sempre soluções simples e com materiais baratos e acessíveis, Laura informa que os trabalhos similares em museus são muito mais sofisticados, como pranchas em resina, apropriadas para higienização depois de manuseadas por um número grande de visitantes.

Sem comentários: